quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

Solidariedade à combativa dep. Maria do Rosário e à sua família

Manifesto solidariedade à digna e combativa deputada Maria do Rosário, à sua família e à sua filha, vítima de grotesco crime cometido pelas redes sociais.  

Divulgo abaixo a nota pública, que conta com meu integral apoio.

Maximiliano Nagl Garcez  

 

NOTA PÚBLICA

Maria do Rosário

Minha filha está sendo vítima de criminosos nas redes sociais. Como mãe não medirei esforços para protegê-la, como faço todos os dias da minha vida. Já tomei as medidas cabíveis e estou fazendo todas as denúncias possíveis para que os bandidos que atacam minha família sejam identificados e severamente responsabilizados. Nenhuma família merece passar por isto.

Eu e o meu esposo Eliezer Pacheco estamos indignados e repudiamos com veemência os atos criminosos de quem manipula imagens e informações, expondo uma menina de 16 anos.

Sabemos que todos os pais e mães têm preocupação com a exposição de seus filhos e filhas na Internet. Não há dúvida que este tipo de divulgação manipulada gera efeitos gravemente nocivos de dimensão imensurável às vítimas.

É revoltante que minha filha seja atacada pelas minhas posições e por minha atuação em defesa da dignidade humana. Não permitirei que minha filha seja desrespeitada.

Aos que têm o objetivo de me prejudicar e atingir minha família, afirmo que não conseguirão.

 

terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

Governo golpista altera NRs 28 (Benzeno) e 9 (PPRA) - Portaria 167-MT

GABINETE DO MINISTRO

PORTARIA No - 167, DE 20 DE FEVEREIRO DE 2017

Altera o Anexo II da Norma Regulamentadora n.º 28.

O MINISTRO DE ESTADO DO TRABALHO, no uso das atribuições que lhe conferem o inciso II do parágrafo único do art. 87 da Constituição Federal; nos arts. 155, 200 e 626 da Consolidação das Leis do Trabalho - CLT, aprovada pelo Decreto n.º 5.452, de 1º de maio de 1943; bem como o artigo 27, inciso XIX, alínea "f", da Lei n.º 10.683, de 28 de maio de 2003, com a redação dada pela Lei n.º 13.341/2016, resolve:

Art. 1º Inserir, no Anexo II da Norma Regulamentadora n.º 28 - Fiscalização e Penalidades, aprovada pela Portaria MTb n.º 3.214/78, os códigos de ementas do Anexo 2 (Exposição Ocupacional ao Benzeno em Postos Revendedores de Combustíveis - PRC) da Norma Regulamentadora n.º 09 (Programa de Prevenção de Riscos Ambientais - PPRA), nos termos a seguir: .............................

 

Íntegra disponível no DOU de 21.2.2017: http://pesquisa.in.gov.br/imprensa/jsp/visualiza/index.jsp?data=21/02/2017&jornal=1&pagina=53&totalArquivos=76

Manifesto apoio à nota da ALJT: "LA ALJT FRENTE A LOS ATAQUES A JUECES DEL TRABAJO"

Divulgo e apóio a correta e corajosa nota abaixo da ALJT, sobre revoltantes perseguições a magistrados na Argentina. 

Atenciosamente,

Maximiliano Nagl Garcez



LA ALJT FRENTE A LOS ATAQUES A JUECES DEL TRABAJO

Recife e Buenos Aires, 20 de Febrero de 2017.
           
          La Asociación Latinoamericana de Jueces del Trabajo es una entidad civil sin fines de lucro, compuesta por magistrados y jueces del trabajo de la mayoría de los países de América Latina.
           Entre sus objetivos se encuentra la defensa de la existencia, independencia y autonomía del poder judicial y de los jueces que lo integran en los países de la región.
        En función de ello, la Asociación Latinoamericana de Jueces del Trabajo expresa su preocupación frente a los ataques que vienen siendo objeto diversos jueces en razón de las decisiones y fallos judiciales que adoptaron, como es el caso de los integrantes de la Sala VI de la Excma. Cámara Nacional de Apelaciones del Trabajo de la República Argentina, Doctores Graciela Craig y Luis Raffaghelli, como la de los integrantes de la Sala de Feria de la misma Cámara, Doctores Enrique Arias Gibert y Graciela Marino, a los que se los amenaza con un pedido de juicio político por los contenidos de sentencias que podrían afectar decisiones de otros poderes del Estado Argentino, lo que significa, a no dudar, una velada amenaza a la independencia de la totalidad de los jueces y magistrados de ese país.
          La Asociación Latinoamericana de Jueces del Trabajo afirma que sostener que el criterio registrado en los fallos judiciales pueda constituir causal de mal desempeño de los jueces que los dictan, destruye en sus bases el principio de separación de poderes e independencia del poder judicial.
           Para ello, la Asociación Latinoamericana de Jueces del Trabajo recuerda la inveterada doctrina judicial de la Corte Suprema de Justicia de los Estados Unidos del año 1805, en el famoso Caso del Juez Chase, por la que se dio certeza en el sentido que los fallos judiciales jamás pueden ser el sustento para que se los pueda remover a los jueces de sus cargos.
          En el mismo sentido, en palabras del Señor Presidente de ese Tribunal, William Rehnquist, "no interesa cuán enojados o frustrados puedan estar los miembros de cualquiera de los otros poderes. La remoción de los jueces debido a su filosofía judicial no es posible".
         Como ya se ha pronunciado esta Asociación Latinoamericana de Jueces del Trabajo, con cita de la CorteIDH, en el Caso "Reverón Trujillo vs Venezuela", Excepción Preliminar, Fondo, Reparaciones y Costas. Sentencia de 30 de junio de 2009. Serie C No. 197, "uno de los objetivos principales que tiene la separación de los poderes públicos es la garantía de la independencia de los jueces. El objetivo de la protección radica en evitar que el sistema judicial en general y sus integrantes en particular se vean sometidos a posibles restricciones indebidas en el ejercicio de su función por parte de órganos ajenos al Poder Judicial o incluso por parte de aquellos magistrados que ejercen funciones de revisión o apelación".
          Esta Asociación Latinoamericana de Jueces del Trabajo recuerda que la protección de las libertades y garantía de eficacia de los derechos de los ciudadanos se asienta en un sistema que garantiza la independencia de los jueces contra el abuso del poder por parte del Estado. Tal garantía sería ilusoria si los jueces puedan ser destituidos por las sentencias que dicten en ejercicio de sus funciones.
          Como lo resolviera la CorteIDH en el Caso "Quintana Coello y otros vs Ecuador" (23 de agosto de 2013), la inamovilidad no es un privilegio del Funcionario judicial, sino una garantía para todos los habitantes de la Nación. Es esencial para el ejercicio de la función judicial, para evitar posibles restricciones indebidas en el ejercicio de las funciones, todo lo cual debe ser garantizado por los Estados.
         Los jueces son los encargados de adoptar decisiones definitivas con respecto a la vida, la libertad, los derechos y los bienes de las personas, por lo que deben gozar de las garantías de independencia para poder actuar de conformidad con los principios tutelados de manera universal, asegurándoseles también la permanencia en los cargos, la intangibilidad y ajustes de sus salarios, como las garantías frente al contenido de las sentencias.
       La  independencia asegura la justicia y eso requiere de garantías que alejen a los jueces de las consecuencias de las luchas políticas partidarias, de la influencia de los otros poderes del Estado, como de la influencia indebida de los jueces del propio Poder Judicial (Tribunal Europeo, caso "Sutter vs Suiza", 1979; entre muchos otros).
            De esta manera, esta Asociación Latinoamericana de Jueces del Trabajo deja expresada su opinión, al tiempo que rechaza y repudia todo intento de juicio político a los jueces por el contenido de sus sentencias.

Hugo Cavalcanti Melo Filho                                                                                    María Madalena Telesca
             Presidente                                                                                                         Secretaria General

                                                                           Roberto Carlos Pompa
                                                              Director de Vínculos Internacionales

Manifesto apoio também à nota "LA ALJT FRENTE A LAS DENUNCIAS DE ESPIONAJE"

Manifesto apoio também a outra corajosa nota da ALJT, desta vez sobre abjeta situação que ocorre na Argentina: espionagem contra magistrados e defensores da democracia e dos direitos humanos. 

Sugiro ao movimento sindical que divulgue e apóie este manifesto e o anterior que divulguei no post abaixo (sobre perseguições a juízes do trabalho, também na Argentina). 

Atenciosamente,

Maximiliano Nagl Garcez

 

 

LA ALJT FRENTE A LAS DENUNCIAS DE ESPIONAJE

 

Recife e Buenos Aires, 20 de Febrero de 2017.

           

          La Asociación Latinoamericana de Jueces del Trabajo es una entidad civil sin fines de lucro, compuesta por magistrados y jueces del trabajo de la mayoría de los países de América Latina.

           Entre sus objetivos se encuentra además de la defensa de la existencia, independencia y autonomía del poder judicial y de los jueces que lo integran en los países de la región, la promoción y defensa de los derechos humanos de las personas y la vigencia del orden constitucional en un estado social de derecho.

        En función de ello, la Asociación Latinoamericana de Jueces del Trabajo expresa su preocupación frente a la denuncia formulada por la Señora Hebe de Bonafini sobre la existencia de una red de espionaje en la República Argentina sobre dirigentes, intelectuales, jueces y periodistas, que involucraría a asociados a esta entidad, al tiempo que expresa su repudio para el caso que se compruebe su existencia, exhortando al más rápido y total esclarecimiento e identificación de los responsables.

La existencia de listas de personas expuestas a esas prácticas y la ausencia de acciones concretas y efectivas para determinar los autores, significaría de comprobarse la veracidad de la denuncia, un inaceptable abuso de poder por parte del Estado y la instalación de una situación de terror entre todos los habitantes, lo que nos retrotrae a épocas propias de la dictadura cívico militar que la sociedad argentina en su conjunto considera superada, resultandoinaceptable en tiempos de democracia, caracterizadaprecisamente por el respeto y tolerancia a las ideas y creencias de todas las personas.

            De esta manera, esta Asociación Latinoamericana de Jueces del Trabajo deja expresada su opinión sobre la denuncia formulada, al tiempo que demanda su total esclarecimiento.

 

Hugo Cavalcanti Melo Filho                                                                                   María Madalena Telesca

             Presidente                                                                                                         Secretaria General

 

                                                                           Roberto Carlos Pompa

                                                              Director de Vínculos Internacionales

 

sábado, 18 de fevereiro de 2017

18.2.17: Atividade na Fetrafi/MG, sobre medidas precarizantes do governo golpista e estratégias de resistência

Manhã de sábado bacana, debatendo com compas diretores de Fetrafi/MG, sobre propostas precarizantes dos golpistas, impactos na categoria bancária e estratégias de resistência.

Agradeço o convite das compas Magaly Fagundes e Eliana Brasil, presidentas respectivamente da Fetrafi/MG e do Sind. Bancários de BH, e pelo carinho de todxs

18.2.17: Atividade na Fetrafi/MG sobre medidas precarizantes do governo golpista e estratégias de resistência

Manhã de sábado bacana, debatendo com compas diretores de Fetrafi/MG, sobre propostas precarizantes dos golpistas, impactos na categoria bancária e estratégias de resistência. Agradeço o convite das compas Magaly Fagundes e Eliana Brasil, presidentas respectivamente da Fetrafi/MG e do Sind. Bancários de BH, e pelo carinho de todxs

Maximiliano Nagl Garcez

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

Curso conclui com visitas ao Congresso e ao STF

Conhecer o funcionamento dos poderes é fundamental ara organização da sociedade e para fazer avançar demandas dos sindicatos e movimentos sociais. Esse também foi um dos objetivos do curso Os desafios para a intervenção política e sindical: teoria e prática, que encerrou nesta quinta-feira (16), em Brasília. No último dia de atividades práticas opcionais, os sindicalistas, advogados e militantes visitaram o Congresso Nacional e o Supremo Tribunal Federal (STF).
Participantes do curso no Plenário do Senado e...

No Congresso, os participantes do curso conheceram os salões e plenários do Senado Federal e Câmara dos Deputados, onde acontecia sessão plenária. Nesta ocasião, puderam acompanhar um discurso da deputada federal Érika Kokay (PT-DF), que denunciava retrocessos promovidos pelo governo ilegítimo de Michel Temer. Também na Câmara, tiveram a oportunidade de dialogar com as deputadas Luiza Erundina (PSOL-SP) e Maria do Rosário (PT-RS), duas aliadas dos trabalhadores contra a retirada de direitos.

 ... e no Plenário do STF | Fotos: Eduarda Brogni
No STF, acompanharam parte da sessão plenária. Na ocasião, estava sendo discutido pelo ministros recurso extraordinário sobre indenização por danos morais em decorrência de superlotação carcerária e de falta de condições mínimas de saúde e higiene do estabelecimento penal.

“Conhecer de perto as instituições, tanto as competências constitucionais, legais e regimentais, quanto o dia a dia do trabalho desenvolvido pelos três poderes é fundamental para sabermos escolher os instrumentos de luta à disposição e também o melhor momento para usar as armas que temos no combate à favor da democracia e na defesa dos direitos sociais”, avaliou a advogada Clara Lis Coelho, da Advocacia Garcez.

Na opinião do Coordenador Técnico do curso, o advogado Paulo Yamamoto, as atividades foram muito intensas. “Tivemos importantes trocas de experiências de sucessos na resistência praticada por diferentes movimentos sociais, o que nos fortaleceu e renovou nossas energias para seguir lutando com ainda mais força”, declarou.

Já o Coordenador Geral da Advocacia Garcez  e do curso, Maximiliano Garcez, destacou que o evento nas três cidades (São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília) atingiu a meta de ser o mais propositivo e objetivo possível. "Participar das três edições de nosso curso foi uma injeção de ânimo para mim. E, pelas impressões que tive, também para os sindicalistas e ativistas que estavam ativamente presentes nas atividades”, destacou.  “Em uma atmosfera informal e fraterna, os palestrantes brasileiros e estrangeiros compartilharam experiências bem-sucedidas de resistência contra os retrocessos neoliberais, bem como propostas concretas de medidas a serem adotadas. Todos aprendemos muito com os participantes, seja nos debates que se seguiram após cada palestra, seja nas ricas atividades de grupo”, acrescentou.

Max Garcez fez questão de reconhecer o empenho da equipe que trabalhou para viabilizar o curso. “O sucesso do evento só foi possível por conta da dedicação e companheirismo das equipes de nossas cinco unidades, mas em especial para três advogados da Advocacia Garcez fundamentais para o evento: os queridos companheiros Paulo Yamamoto, criativo coordenador científico do evento, Clara Coelho, responsável pelas diversas questões-chave para viabilizar o curso, e Felipe Vasconcellos, palestrante e também organizador. Agradeço muitíssimo a todos e todas da Advocacia Garcez e aos palestrantes brasileiros e estrangeiros”, declarou.


A mesma frase utilizada no encerramento do curso, de autoria da antropóloga cultural norte-americana Margaret Mead, foi destacada por Max Garcez como síntese do clima de esperança que marcou essas duas semanas de atividades: “Nunca duvide que um pequeno grupo de pessoas conscientes e engajadas possa mudar o mundo. De fato, sempre foi assim que o mundo mudou.”

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

“A reforma da previdência penaliza a população mais pobre”, critica desembargador

Grijalbo Coutinho | Foto: Eduarda Brogni
O desembargador, mestre e doutorando em Direito e Justiça pela UFMG, Grijalbo Coutinho, avalia que o capitalismo não vive mais de crises cíclicas, mas de uma crise estrutural permanente. A análise foi feita durante participação do magistrado e pesquisador no curso Os desafios para a intervenção política e sindical: teoria e prática, na segunda-feira (13), em Brasília. Para ele, vivemos uma espécie de “antiutopia”, onde uma falaciosa campanha contra a corrupção engendrada pelos donos do poder, incluindo a mídia oligopolista e graúdos agentes do Estado, entregou o País a um bloco político que está produzindo o maior retrocesso visto a partir do fim da ditadura militar, indo da entrega deliberada do patrimônio público ao capital privado, nacional e internacional,  até o fim da previdência pública e do Direito do Trabalho.

Ao analisar a conjuntura política e o capitalismo, Grijalbo declarou que “o sistema já não consegue mais dar conta dos seus problemas.” Segundo ele, ninguém no País tolera a corrupção, mas que ela está em todo o sistema capitalista e sempre esteve. “As riquezas dos capitalistas vêm da exploração dos trabalhadores e da corrupção, via apropriação de recursos públicos do Estado”, afirmou.  

Em sua avaliação, o sistema expurgou do poder quem não mais conseguia saciar a sede de maiores taxas de lucros para os seus negócios, em uma articulação internacional. “Para tanto,  a pureza moralista pouco comprometida com a sociedade democrática e com os direitos sociais, mas incrustada nas mais diversas instituições,  fez uso da velha tática de explorar a corrupção sistêmica da relação entre o público e o privado para promover uma verdadeira contrarrevolução social, com novos gerentes dos negócios capitalistas,  os quais precisam rapidamente liquidar o patrimônio público brasileiro, acabar com a previdência pública e arrasar os trabalhadores com terceirização, negociado sobre o legislado e jornada de trabalho do início do século XX”, disse. “Foi para cumprir essas tenebrosas tarefas que houve o ato político sórdido de 2016 travestido de impeachement. O resto é apenas pretexto, pretexto que somente os tolos, alienados e reacionários acreditam. Apenas os inocentes e os  raivosos direitistas  acreditam que estamos diante de uma virada positiva no país. A virada é para piorar a situação dos mais pobres, que pagarão a fatura dessa salgada conta, com direitos trabalhistas e previdenciários mitigados e liberdades individuais e coletivas cerceadas”, acrescentou.

Ainda sobre a corrupção, ele disse o quanto este tema está no centro do momento político brasileiro. “O capital e os poderosos no Brasil começaram a minar o governo de centro-esquerda e deram o golpe. Se construiu a narrativa de que a esquerda inventou a corrupção. Na verdade, se estabeleceu uma campanha sistemática, lacerdista e absolutamente falsa contra a corrupção que, ironicamente, levou ao poder personagens, em bloco, acusados  de corrupção ainda mais grossa, de longa permanência no tempo e de alto profissionalismo, que agora  cerceiam liberdades individuais, perseguem movimentos sociais, promovem a entrega rápida do patrimônio público, em especial do pré-sal”, declarou. E ainda acrescentou que" não que o governo anterior não merecesse críticas severas, mas jamais foram os seus deméritos que o derrubaram, como está sendo comprovado a cada dia, em uma velocidade impressionante". 

O magistrado criticou as desigualdades no País e as reformas propostas. “A reforma da previdência penaliza a população mais pobre. Não é que ela aumenta o tempo de contribuição, mas praticamente acaba com a previdência pública”, defendeu. Também criticou a atuação do Judiciário que, segundo ele, do ponto de vista histórico, “sempre serviu de anteparo para os regimes de exceção no Brasil”. E concluiu sua participação criticando as classes dominantes. “A democracia burguesa é uma falácia. Ela não respeita suas próprias regras. Para aumentar seus lucros, não titubeia em rasgar a Constituição. Foi assim com Vargas acuado no Palácio do Catete em 1954, que o levou ao suicídio, foi assim com Jango deposto por um golpe militar em 1964 e foi assim em 2016 com o impeacheament de Dilma em 2016, lamentavelmente."


quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017


Sindicalistas participam de atividades no TST e na Câmara

No primeiro dia de atividades práticas opcionais do curso Os desafios para a intervenção política e sindical, em Brasília, os participantes acompanharam os trabalhos do Tribunal Superior do Trabalho (TST) e também da Câmara dos Deputados nesta quarta-feira (15).

Sindicalistas foram recebidos no gabinete do ministro Mauricio Godinho
No TST, os sindicalistas e militantes de movimentos sociais acompanharam os trabalhos de julgamento de ações nas turmas do Tribunal. Também realizaram uma visita de cortesia ao gabinete do ministro Mauricio Godinho Delgado, que elogiou a iniciativa do curso e avaliou positivamente a aproximação entre sindicalistas e os poderes como forma de fortalecimento da democracia.

Já na Câmara, os participantes do curso conheceram o trabalho das comissões e acompanhar parte da sessão da CPI da Funai e Incra. Também participaram de reunião da Frente Parlamentar Mista em defesa dos direitos trabalhistas e previdenciários, que reune deputados e senadores mobilizados contra os retrocessos propostos pelas reformas propostas pelo governo golpista. 


Participantes do curso em visita à Câmara dos Deputados
Fotos: Eduarda Brogni
Também na Câmara, acompanharam a abertura de ato promovido pela Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho (Anamatra), juntamente com entidades que compõem a Frente Associativa da Magistratura e do Ministério Público (Frentas). O objetivo do evento é mobilizar-se contra a reforma da Previdência (PEC 287/2016), chamando a atenção de parlamentares e da sociedade para os efeitos da reforma.
Anticandidatura de Beatriz Vargas ao STF é lançada no Senado

Ana Júlia Ribeiro, Magda Biavaschi, Max Garcez e Beatriz Vargas
Foto: Divugação
Representantes de diversos movimentos sociais lançaram, nesta quarta-feira (15), no Senado Federal, a anticandidatura da Professora de Direito Penal, Processo Penal e Criminologia da Universidade de Brasília (UnB) e advogada de movimentos sociais, Beatriz Vargas, para a vaga de ministra do Supremo Tribunal Federal (STF). O Escritório Garcez esteve no ato, representado por seu Coordenador Geral, Maximiliano Garcez, que comparou a coragem da anticandidatura à atitude de Ulisses Guimarães de enfrentar a ditadura militar.

De iniciativa da desembargadora aposentada Magda Biavaschi, o manifesto de lançamento da anticandidatura destaca “a defesa de um Supremo Tribunal Federal atento à missão constitucional de guardião maior dos direitos fundamentais e sensível às necessidades de uma sociedade complexa como a brasileira, marcada pela desigualdade e pela injusta redistribuição de riquezas, e, enfim, para que o STF seja o parceiro da emancipação humana e social no Brasil, ao invés de se converter definitivamente numa ilha de conservadorismo, inacessível à grande maioria da população brasileira.”

O texto ressalta ainda “estamos diante da afronta de ter como postulantes à função de Ministro do STF pessoas que demonstram desconhecer a realidade social de brasileiras e brasileiros. Sexismo, homofobia, lesbofobia, discriminação racial, desrespeito aos direitos humanos e sociais e ao Estado laico não podem ser parte da trajetória de quem irá integrar o colegiado do STF. “

De acordo com Maximiliano Garcez, o governo golpista de Temer não tem legitimidade para estar no poder e, por consequência, não poderia nomear ministros do STF. “Mais grave ainda é o fato de que os golpistas querem nomear um ministro do STF apressadamente, sem nem mesmo esperar a conclusão da apuração das investigações relativas à morte do Ministro Teori Zavaskci”, afirmou. “Em qualquer democracia, quando existe qualquer suspeita de que a morte de ministro de Tribunal Superior não tenha sido por causas naturais, suspende-se nomeação de substituto”, acrescentou o advogado. 

Max Garcez destacou também que, dadas as circunstâncias da morte do ministro Teori Zavaskci, a nomeação deveria ser fruto de amplo consenso na sociedade.  “A nomeação do ministro Teori foi feita por governo com matiz ideológica diametralmente distinta do atual governo golpista. Substituir, neste momento, o ministro Teori pelo Dr. Alexandre de Moraes, com seu passado de ataque a movimentos populares, é algo que não pode ser aceito pelos defensores da democracia e dos direitos humanos”, afirmou.

Já o Juiz do Trabalho Hugo Cavalcanti Melo Filho, que participou do ato representando a Associação Latino-Americana de Juízes do Trabalho, da qual é presidente, indagou que “se já é questionável o método de escolha em que o Presidente da República eleito escolhe e o Senado chancela nomes que venham a figurar como ministros do STF, o que dizer de um governo golpista que faz essa escolha sem nenhuma legitimidade?”

De acordo com o magistrado, não se trata de discutir as virtudes de Beatriz Vieira nem os defeitos de Alexandre de Moraes. “O que se está discutindo é um processo de escolha de ministros do STF, para que este não se torne uma instância partidária de atendimento a interesses de determinados grupos políticos como estamos vivendo agora”, afirmou.

Também presente ao ato, a estudante secundarista Ana Júlia Ribeiro, ressaltou o fato de Beatriz ser uma feminista. Ela elencou críticas a Alexandre de Moraes. “Em 2015, quando ele era secretário de Segurança Pública de São Paulo, agiu de maneira truculenta com os estudantes quando autorizou a entrada da força policial nas escolas pra agredir os estudantes que estavam as ocupando legitimamente”, disse.

Ela levantou ainda suspeitas sobre a parcialidade do indicado pelo governo Temer.  “Se um juiz de primeira instância não pode ter ligação política e partidária, porque um ministro do STF pode? É o questionamento que precisa ser feito, precisa ser levado a sério, precisa ser considerado ao ser indicado um ministro”, afirmou.

terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

Com muitas proposições, curso encerra mais uma etapa

Encerrou nesta terça-feira (14), em Brasília, a parte teórica do curso Os desafios da intervenção política e sindical. Os participantes, após se reunirem em grupos, apresentaram uma série de propostas. Na quarta (15) e quinta-feira (16) haverá a parte prática do curso.

Os sindicalistas e militantes que participaram da etapa de Brasília avaliaram positivamente o curso e apresentaram uma série de sugestões para qualificar a intervenção sindical. “Queremos agradecer e parabenizar a Advocacia Garcez pela realização deste curso de formação política e sindical, buscando alternativas e caminhos para que possamos levar à sociedade ações no sentido de enfrentarmos e resistirmos a essa tentativa nacional de retirada de direitos dos trabalhadores, em especial com a reforma trabalhista,a reforma previdenciária e tantas outras ameaças que pairam sobre os trabalhadores brasileiros. Foi uma iniciativa excelente e saímos daqui mais fortalecidos nessa luta que é de toda a sociedade”, destacou Jorge Dotti Cesa, diretor da FEPAGRO/SC e da FISENGE.

Propostas

Após dividirem-se em grupos, os participantes relataram ao conjunto dos participantes suas avaliações e sugestões para a intervenção sindical. Uma das propostas que surgiu foi a de informar a população sobre as desonerações promovidas por governos estaduais para beneficiar grandes empresas no mesmo momento em que falam em crise nas contas e atrasam salários do funcionalismo. Os estados do Rio de Janeiro e do Rio Grande do Sul foram usados como exemplo.
Outra sugestão foi a criação de comitês e comissões nos sindicatos para estudar e debater temas que não se limitem às questões sindicais. Na opinião dos participantes, os sindicatos devem elencar pautas que dialoguem com diferentes segmentos da sociedade para incorporar suas lutas e promover a reaproximação necessária.

As entidades devem fazer, na opinião dos participantes do curso, esforços para profissionalizar suas comunicações, com a contratação de profissionais da área e capacitação de dirigentes e funcionários dos sindicatos para melhor utilização das redes. Isso, no entanto, não substitui as formas convencionais de comunicação, como a edição de boletins informativos, panfletos e a entrega direta desses materiais aos trabalhadores.

Também trataram da necessidade de fazer mapeamentos sobre o perfil dos parlamentares e manterem-se mobilizados junto às bases eleitorais de deputados e senadores. 

Combater a imagem negativa sobre o sindicalismo na sociedade também é um desafio a ser perseguido. Segundo os sindicalistas presentes, um caminho para isso é buscar formas de diálogo com bases mais conservadoras. Citaram como exemplo os trabalhadores que defenderam o golpe e hoje são atingidos pelas medidas retrógradas do governo golpista.

Por fim, um encaminhamento foi o de apoio à proposta da CUT de unificar a pauta do 8 de março - Dia Internacional das Mulheres em torno da reforma da previdência, que atinge ao conjunto dos trabalhadores e trabalhadoras.
                                                   Fotos: Eduarda Brogni


“O Brasil tem uma história muito interessante. Alcançou a cabeça da América Latina”, afirma advogado de entidades sindicais mexicanas

Nahir Velasco, advogado de entidades sindicais no México
Foto: Eduarda Brogni

Entrevista com Nahir Velasco, advogado de entidades sindicais e movimentos populares na Cidade do México. É também Secretário de Trabalho da Asociación Nacional de Abogados Democraticos do México - ANAD. Ele foi um dos painelistas do curso Os desafios para a intervenção política e sindical: teoria e prática, em Brasília:


De que forma você avalia que os sindicatos de diferentes países podem atuar para fortalecimento de suas pautas?  

Temos que fazer alianças. Existe uma organização internacional que, no caso, agremia os trabalhadores mineradores que se chama Union Global Industrial. Essa organização aglomera 50 milhões de trabalhadores em todo mundo, de tal maneira que se há um conflito com uma [empresa] transacional que está em outro país, neste caso, se estão no Brasil, podem mandar emissários ou podem solicitar apoio do sindicato, onde está sua matriz, para fazer um ato de protesto. 

Essa experiência já foi implantada em algum lugar? Quais resultados teve?

Isso para nós funcionou, porque muitas vezes as empresas, no seu país original, dizem ter uma política socialmente responsável. Mas quando saem do seu país, violam direitos humanos. Temos tido exemplos como o caso de uma indústria italiana, inclusive que tem uma filial aqui no Brasil e outra no México, onde se recusam a ser socialmente responsáveis e cumprir os direitos humanos. 
Temos o exemplo com as mineradoras canadenses que, no seu país de origem, dizem respeitar o ambiente, cuidar dos recursos naturais e, sobretudo, cuidar dos trabalhadores. No entanto, quando chegam ao México, Peru ou outras áreas, fazem totalmente o contrário. Por essas situações, temos recorrido às alianças com sindicatos que têm as convenções e os contratos coletivos de seus países de origem para apoio solidário nos temas de protestos. 

Além dos sindicatos com atuação transnacional, a qual outras organizações se pode recorrer nesses casos?

Tem que se recorrer aos organismos internacionais, pela necessidade de justiça. Um organismo internacional vai julgar não com as regras nacionais do país de origem da empresa, mas com as regras internacionais, que muitas vezes são mais generosas e, sobretudo, têm mais questões sobre direitos humanos. 

Há exemplos concretos disso?

Nós atualmente temos um assunto que está na Corte Interamericana de Direitos Humanos, que é o assunto de Cananea [município do México]. O governo mexicano, no período de Felipe Calderón, exterminou em um só dia um contrato coletivo de trabalho com todas as ilegalidades e pré-fabricação de provas. Nós pensamos que a segunda instância, no Poder Judiciário da Federação, nos daria razão. No entanto, não foi assim. Diante dessa situação e quando tudo foi acabado no nível nacional, tivemos que optar pelo tema da defesa internacional diante da comissão que atua como um representante social e junta todas as provas e evidências para poder fazer um processo de admissibilidade na Corte Interamericana de Direitos Humanos. 

E quais os resultados práticos?

Quando um estado faz parte da OEA (Organização dos Estados Americanos) e da Comissão Interamericana de Direitos Humanos, o organismo analisa as denúncias e as decisões que toma podem trocar, nesse caso, as decisões de antes. Em tal grau de que houve reformas constitucionais no México, no ano de 2006, que obrigou o governo mexicano a incorporar o tema de direitos humanos na constituição. E essa foi uma fonte da interpretação jurídica e mudou o paradigma do direito mexicano atual. Claro que temos legislações mais avançadas desde então. No entanto, são necessárias essas incorporações, porque são mais generosas as interpretações em matérias de direitos humanos.

E qual sua visão sobre o papel do Brasil nisso?


O Brasil tem uma história muito interessante. Vem de uma ditadura, no entanto, teve governos progressistas e alcançou a cabeça da América Latina, envolvendo a outros lugares, outros países para voltarem a ser uma unidade internacional. Então temos que voltar às origens. Não temos que duvidar que as lutas são dos trabalhadores unidos, dos camponeses unidos, dos ecologistas unidos, dos movimentos de diversidade sexual unidos.

Jornalista orienta sindicalistas a conquistarem influência nas redes

George Marques | Foto: Eduarda Brogni
Um dos grandes anseios de sindicalistas e militantes de movimentos que participam do curso Os desafio da intervenção política e sindical: teoria e prática é como se comunicar bem, utilizando as novas tecnologias, para conquistar mais apoios na sociedade para suas pautas. Esse foi o tema abordado pelo jornalista George Marques, do The Intercept Brasil, na tarde esta terça-feira (14), na etapa do curso em Brasília. George - que é um dos comunicadores de maior influência nas redes sociais - deu dicas aos sindicalistas de como transmitir seus conteúdos para o maior número de pessoas possível.


Segundo o jornalista, a comunicação em tempos de redes sociais incentiva falarmos para bolhas, ou seja, para o próprio círculo de influência. E quanto é necessário se levar informações fidedignas, de qualidade e com originalidade para outros públicos. “Precisamos nos comunicar com um diferencial. As pessoas não querem mais do mesmo”, disse. Ele apresentou um roteiro com etapas de ação nas redes para se ganhar influencia e credibilidade.  E concluiu fazendo um importante alerta: “Ter muitos seguidores não significa ter influência.”
Paulo Yamamoto defende uso de redes como complemento à mobilização tradicional

O advogado e Coordenador Técnico do curso Os desafio da intervenção política e sindical: teoria e prática, Paulo Yamamoto, falou sobre a importância de o movimento sindical adotar novas formas de comunicação. “Não se abandona as ruas para ficar na internet. Mas para disputar corações e mentes, precisamos utilizar bem as redes”, afirmou.

Paulo Yamamoto | Foto: Eduarda Brogni
Segundo Paulo Yamamoto, investir na comunicação por meio das redes não significa abandonar os meios tradicionais, como editar jornais e realizar panfletagens, por exemplo. “Mas temos a necessidade de reinventar as formas de comunicação, sobretudo a partir das novas tecnologias”, defendeu. Ele avalia que são formas complementares de disputa da opinião pública. “Há necessidade de interagirmos com as novas formas de comunicação, como forma de complementar o que já estamos habituados a fazer, que é estar nas ruas, nas fábricas, no contato direto com a classe trabalhadora”, disse.

Ele reforçou a necessidade de o movimento sindical se comunicar melhor, de forma mais rápida, com mais poder de síntese e não se limitar a transmitir informações somente para o seu meio, mas atingir cada vez mais pessoas com sua mensagens. E conclui reforçando o foco norteador da atuação: “O ponto central da resistência é a luta.”
“Esse projeto neoliberal e privatista não foi o vitorioso nas urnas em 2014”, afirma professor

Fernando Antunes | Foto: Eduarda Brogni
O professor de Direito Constitucional e advogado do Escritório de Advocacia Garcez, Fernando Antunes, falou sobre a relação do direito, a sociedade civil e os movimentos sociais. Isso ocorreu na manhã desta terça-feira (14), no curso Os desafio da intervenção política e sindical: teoria e prática, em Brasília. Sua análise foi feita a partir de uma série de entrevistas e também da observação das atuações de lideranças de movimentos sociais, sindicais e gestores e nos Conselhos de Direitos. “Alguns setores pressionam mais que os outros”, afirmou.

De acordo com o advogado, durante os governos democráticos e populares, os movimentos se empoderaram com as possibilidades de participação na elaboração e avaliação das políticas públicas, por meio dos conselhos e conferências. “Com o esvaziamento dessas estruturas pelo governo golpista, o movimento deve ser de volta a ocupação das ruas”, defendeu. Segundo ele, a pauta de destruição de direitos e avanço das privatizações, aliadas ao envolvimento de diversos membros do governo com corrupção, faz a sociedade começar a perceber as fragilidades deste projeto. Esta é uma oportunidade, na opinião de Fernando Antunes, de ampliar a atuação. “Para retomar a hegemonia é preciso resgatar o diálogo com a classe média”, disse.

Fernando defendeu que sejam identificados os parceiros com quem se pode contar para disputar a supremacia da sociedade. Ele citou o exemplo dos movimentos de direitos humanos, que atuam em redes a partir de um mapeamento aliados, para fortalecer a ação sindical. Essa estratégia, segundo ele, deve incluir o mapeamento de movimentos com os quais se pode contar para fortalecimento das pautas, um diagnostico do perfil dos deputados, como sua profissão e base eleitoral, como informações que fortalecem e qualificam a pressão. Também considerou estratégico apresentar ações de inconstitucionalidade no STF e recorrer aos organismos internacionais de Direitos Humanos como forma de tentar barrar os retrocessos.

Além disso, o advogado falou sobre o papel da comunicação e a lógica maniqueista de demonização da esquerda, citando o exemplo da manipulação nas coberturas da imprensa durante dois episódios: as mobilizações de junho de 2013 e as pró-impeachment.  “Temos que enfrentar o discurso que a esquerda quebrou o país. O saldo positivo desse período foi a inclusão social e a distribuição de renda”, destacou. “Se não atuarmos na luta pela democratização da mídia e do Judiciário, teremos muita dificuldade em conquistar avanços”, acrescentou.


O advogado e professor universitário destacou ainda a necessidade de alertar as pessoas, inclusive as que se manifestaram a favor do impeachment, que quem está pagando o pato são os trabalhadores. “Esse projeto neoliberal e privatista não foi o vitorioso nas urnas em 2014”, enfatizou.